Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
quinta-feira, 21 de setembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Reforma Ortográfica
 

Acordo ortográfico – confira as principais mudanças

Resumimos para você as principais mudanças introduzidas pelo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no português escrito no Brasil. O acordo foi assinado em Lisboa em dezembro de 1990  com o objetivo de ser um passo importante em direção à unificação ortográfica dos países lusófonos (nos quais o português é a língua oficial). 

Depois de muito debate, o acordo entrou em vigor em janeiro de 2009, mas as suas regras só serão obrigatórias a partir de 1º de janeiro de 2013. Até lá as duas grafias serão aceitas como corretas.

A fonte das informações contidas neste resumo é a 5ª edição (2009) do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, publicação da Academia Brasileira de Letras (ABL).

São as seguintes as mudanças:

1) O alfabeto incorpora oficialmente as letras k, w e y;

2) O trema é abolido, permanecendo apenas em palavras estrangeiras (Müller). Agora se escreve linguiça, frequência, tranquilo, eloquente;

3) O acento agudo é eliminado nas seguintes situações:
    3.1) Nos ditongos ei e oi dos vocábulos paroxítonos. Então, passa-se a escrever assembleia, estreia, ideia, heroico, jiboia, joia, apoia. Nas palavras oxítonas terminadas em ei e oi nada muda: papéis, herói;
    3.2) Quando usado sobre o i ou u tônico precedido de ditongo decrescente em paroxítonas. Assim, passamos a escrever feiura, baiuca;

4) Cai o acento diferencial em palavras paroxítonas de vogal aberta ou fechada. Então, não há mais acento, por exemplo, em polo (o substantivo, que tinha acento agudo para diferenciar de polo, união antiga de por e lo), pelo, pera. Mas a mudança que mais chamou atenção foi a de para, flexão do verbo parar, que perde o acento que o diferenciava da preposição. Agora se escreve: O trânsito para. Uma exceção é pode/pôde, que continua com o acento diferencial para a forma do passado;

5) É extinto o acento circunflexo no hiato de duas vogais iguais. Assim, escreve-se agora voo, enjoo, perdoo, creem, deem, leem, veem;

6) Mudaram as regras do uso do hífen. Ele não é mais usado nas seguintes situações:
    6.1) Nos compostos por justaposição com termo de ligação. Assim, cai o hífen de pé de moleque, tomara que caia, mão de obra. A exceção fica por conta das espécies botânicas e zoológicas, como bem-te-vi, ipê-do-cerrado;
    6.2) Quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com r ou s, devendo essas consoantes duplicar-se. Exemplos: antissocial, minissaia, antirreligioso, contrarregra, autossuficiente;
    6.3) Quando o prefixo termina em vogal e o segundo começa com vogal diferente. Exemplos: infraestrutura, autoestima, autoestrada, socioeconômico, intrauterino, antieducativo;
    6.4) Nas formações com os prefixos co, re, pre e pro (esses últimos nas versões átonas) mesmo nos encontros de vogais iguais ou quando o segundo elemento começa por h, como coautor, coocupante, coerdeiro, reescrever, preexistente, proativo;

7) O hífen é usado nas seguintes situações:
      7.1) Nos vocábulos onomatopaicos formados por elementos repetidos, como blá-blá-blá, nhém-nhém-nhém;
       7.2) Quando o primeiro elemento termina por vogal ou consoante igual à que inicia o segundo elemento. Exemplos: anti-inflamatório, micro-ônibus, micro-ondas, arqui-inimigo, sobre-erguer, semi-integral, auto-oxidável;
       7.3) Quando o primeiro elemento termina por m e o segundo elemento começa por vogal, m, n ou h. Exemplos: circum-hospitalar, circum-ambiente, circum-navegar, pan-americano;
        7.4) Quando o segundo elemento começa por h, como anti-herói, super-homem, mega-hertz, proto-história, tele-homenagem, sobre-humano.

Observação:
As regras do uso do hífen não mudaram em várias situações. Como quando o prefixo termina em consoante e o segundo elemento começa por vogal, e no uso dos prefixos ex, vice, soto, pós, pré, pró, além, aquém, recém, sem, bem, mal (esses últimos com algumas exceções).

Exemplos: hiperativo, superaquecimento, interestelar, ex-marido, vice-presidente, soto-mestre, pós-graduação, pré-natal, pró-europeu, além-mar, além-fronteiras, aquém-mar, recém-casado, sem-terra, sem-cerimônia, bem-estar, bem-humorado, mal-estar.


 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos