Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
quinta-feira, 21 de setembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Universidade
 
Latim na ponta da língua
 
Língua latina ganha força e atrai mais alunos nas principais universidades brasileiras, tanto nos cursos de graduação como nos de pós. O interessante é que o MEC desobrigou o ensino de latim há quase dois anos.
 
16 de dezembro de 2007
por Maria Clara Pitol
 

Falar latim nos dias de hoje parece algo inimaginável e um tanto quanto raro. Mas não é isso que tem ocorrido nos ambientes universitários. Embora considerada uma língua morta, o latim vem ressurgindo dentro das universidades brasileiras, atraindo mais estudantes de graduação e pós-graduação e, por conta disso, gerando um número bem maior de pesquisadores na área.

Não há ainda uma explicação definida para o fato. Nos últimos seis anos houve um aumento de 154% no número de alunos matriculados em Latim 1 na Universidade de São Paulo (USP).

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) não fica atrás. Em cinco anos o salto foi de 70%. A Universidade Estadual Paulista (Unesp) tem duas unidades que oferecem o curso de letras, e também registrou um crescimento de 118% na procura por literatura latina.

Aliás, o crescimento do interesse pela língua latina não acontece só em São Paulo. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais (Inep) apontam que há mais alunos estudando latim na maioria das universidades brasileiras que oferecem a disciplina, como federais do Rio (UFRJ), de Juiz de Fora (UFJF) e, ainda, do Rio Grande do Sul (UFRGS).

O mais interessante, porém, é que o Ministério da Educação (MEC) desobrigou o ensino de latim nas universidades há quase dois anos.

“Durante a minha graduação, meus amigos veteranos, que entraram quando o latim ainda era obrigatório, vinham de turmas pequenas, nas quais sobravam vagas. Da minha turma em diante, quando o latim deixou de ser obrigatório, a procura só aumentou”, conta Fabio Cairolli, graduado em letras e mestrando do programa de Letras Clássicas da USP.

Cairolli ainda completa: “O que estava errado era não haver esse interesse antes”. Para o mestrando, latim traz uma reflexão de mundo muito interessante, na qual não é possível pensarmos em um mundo para frente, se não se conhece o mundo que já ficou para trás.

Por que latim?

Muitos pesquisadores e professores da área apostam que a explicação pelo interesse no latim está na volta das referências greco-romanas na indústria cultural. Há muitos filmes retratando a cultura romana e livros falando da Antigüidade. Todos de fácil acesso e que podem despertar interesse e curiosidade nos alunos.

Além disso, na USP, desde 1999 foi criado um ciclo básico no curso de letras, no qual todos os alunos cursam uma disciplina de Introdução aos Estudos Clássicos. A conseqüência desse aumento da procura pelo latim aparece no aumento das pesquisas teóricas e publicações na área.

Para o mestrando em Letras Clássicas na USP, Fabio Cairolli, pode haver mais de uma razão para esse crescimento, é algo difícil de definir: “Se pensarmos bem, cada pessoa procura uma mesma coisa com objetivos próprios e diferentes”.

Mas ele não descarta a ajuda da indústria cultural: “Há um crescente interesse histórico e cultural, impulsionado por esses filmes e livros que abordam um pouco dessa cultura, como Tróia ou o Gladiador”.

Latim pra quê?

Os estudantes de letras que optam por estudar latim podem escolher entre a pesquisa, o trabalho como professor ou a área de tradução.

As três áreas parecem estar crescendo, assim como a procura pelo latim. Na verdade, acaba sendo um ciclo. Os alunos que procuram o estudo pelo latim, no futuro passam para o outro lado e tornam-se professores da língua.

“Esse aumento da procura é muito positivo. Cria-se uma demanda através do crescimento da procura. O mercado de trabalho para os profissionais depende da própria abertura da área, dessa procura, desse aumento de interesse”, conclui Fabio Cairolli.

Mas, para Cairolli, o latim vai mais além: “Como base da sua formação é um conjunto de informações muito válido, afinal, é entrar em contato com uma sociedade distante da nossa, mas que ao mesmo tempo nos formou. É uma bagagem importante para o desenvolvimento humano”.

De onde vem?

A origem do latim é indo-européia. Seus primeiros registros documentados são do século 7 a.C. Era a língua falada pelos povos da Roma Antiga e se dividia em duas modalidades: o clássico, mais complexo e usado apenas pelos homens cultos e inteligentes, inclusive poetas e filósofos; e a versão vulgar, apenas falada, usada no cotidiano e que sofria muitas variações.

A modalidade vulgar era a imposta pelos romanos aos seus povos conquistados e que acabava misturada às línguas nativas.

Com a queda do Império Romano mais o fim do ensino oficial do latim, a língua antes aprendida pelos povos tornou-se livre e acabou por dar origem às línguas neolatinas, entre elas o português.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 7/11/2006.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Como vive quem depende das bolsas de pesquisa?
Especialização em agroecologia ganha espaço
Moda de viola e acordeom nas universidades
Visão sociológica das questões ambientais
Cresce procura por pós-graduação em filosofia
Ciências da religião ganham espaço no Brasil
Ex-líder estudantil se especializa em direito educacional
Jovens se organizam para estimular empreendedorismo
 
Tags relacionadas
universidade; pós-graduação; língua portuguesa

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos