Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sábado, 18 de novembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Vida sustentável
 
USP faz reciclagem de computadores velhos
 
Trata-se de uma iniciativa pioneira de tratamento de lixo eletrônico em órgão público e em instituição de ensino superior e uma forma de enfrentar um problema ambiental que é alvo de alerta da ONU.
 
23 de março de 2010
por Camila Passetti e Maria Clara Pitol
 

Em uma iniciativa pioneira no país de órgão público e instituição de ensino superior, a Universidade de São Paulo (USP) inaugurou um centro de reciclagem e descarte de lixo eletrônico. Computadores, impressoras e celulares que seriam jogados no lixo comum - situação danosa para a natureza e a saúde humana - agora podem ter componentes reaproveitados e destino ecologicamente correto.

Nos primeiros meses de funcionamento, em 2009, o Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática (Cedir), como é chamado, abriu suas portas apenas para equipamentos obsoletos da própria USP, mas, a partir de 1º de abril deste ano, o centro receberá máquinas e peças descartadas das mãos de qualquer cidadão. Porém, há uma ressalva: só serão aceitos materiais de pessoas físicas, não de empresas.

A notícia chega em boa hora: segundo estudo recente divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) em fevereiro, o Brasil é um dos países que mais preocupam no que diz respeito à produção de lixo eletrônico (ou e-lixo, como é chamado por ambientalistas), em função do aumento do consumo de bens como computadores, máquinas fotográficas, televisores, celulares, entre outros.

O relatório reclama que o país não apresenta dados confiáveis nem estimativas sobre a quantidade de lixo eletrônico produzida e sobre a destinação específica desse tipo de rejeito. O lixo eletrônico está crescendo exponencialmente em todo o mundo, alerta a ONU, e especialmente nos países emergentes, como o Brasil.

No Cedir, segundo a coordenadora do projeto e diretora do Centro de Computação Eletrônica (CCE) da USP, Tereza Cristina Carvalho, equipamentos como monitores, CPUs, impressoras, mouses, celulares passam por uma seleção e têm suas peças separadas e trituradas para depois serem vendidas às poucas empresas que trabalham com a reciclagem de cada componente ou utilizadas em computadores remanufaturados.

A ideia é aproveitar cada parafuso e tornar o centro autossustentável financeiramente. O projeto tem atualmente capacidade para caracterização, triagem e destinação de 500 a 1000 equipamentos por mês e está instalado em uma área de 400 metros quadrados, com acesso para carga e descarga de resíduos.

Para dar conta do trabalho, o centro tem cinco funcionários, sendo que três técnicos trabalham para desmontar as toneladas de equipamentos. Os equipamentos e peças que ainda estiverem em condições de uso são avaliados e enviados para projetos sociais. No final de sua vida útil, tais equipamentos deverão ser devolvidos pelos projetos sociais à USP, para que recebam destinação sustentável.

Assim, evita-se o descarte desses materiais no lixo comum. ''Se jogado em lixões ou aterros, o chumbo, em contato com a chuva, é carregado para as afluentes'', explica Tereza.

Segundo ela, o fato de o país contar com ''abundância de recursos naturais e muita variedade'' pode explicar certo atraso na conscientização da população quanto à importância da reciclagem também de eletrônicos. Os europeus, segundo ela, estão andando mais na linha nesse quesito. ''Na Europa há leis que obrigam as empresas a venderem o 'micro verde', que não é fabricado com chumbo''. Além disso, o responsável pela venda de um equipamento é também o responsável por sua reciclagem.

Em contraponto, uma péssima situação que também não pode ser ignorada é que muitos países ricos têm exportado o lixo eletrônico para países mais pobres, com a intenção de livrar-se da maneira mais simples do problema. O que torna a necessidade de investimento nos centros de reciclagem ainda mais urgente em todo o mundo.

Cenário preocupante

Para se ter uma ideia do tamanho do problema que representa o lixo eletrônico hoje no mundo, os Estados Unidos, campeões mundiais em produção desses resíduos, acumulam 3 milhões de toneladas ao ano. O segundo lugar, a China, produz 2,3 milhões de toneladas.

Segundo a organização não governamental Greenpeace, são geradas de 20 a 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico no mundo a cada ano, o que responde por 5% de todo o lixo sólido do planeta - quantia similar à das embalagens plásticas, mas que pode ser ainda mais perigosa.

O e-lixo, se depositado no lixo comum, pode contaminar rios, reservatórios de água e o solo com materiais que causam distúrbios ao organismo, afetam vários órgãos e podem levar à morte. Entre os componentes mais perigosos dos aparelhos eletrônicos estão o arsênio, cádmio, bário, cobre, cromo, níquel e o chumbo, considerado o mais tóxico de todos os elementos.

Quando queimados por sucateiros atrás de metais nobres como cobre e ouro, esse tipo de resíduo libera toxinas muito prejudiciais à saúde humana. ''Cada um dos materiais tem suas consequências'', diz Felipe Fonseca, pesquisador e colaborador do site Lixo Eletrônico (www.lixoeletronico.org) .

''Não é preciso dizer que, com o volume cada vez maior da produção e do consumo de equipamentos eletrônicos, além da tendência da indústria a forçar a sensação de obsolescência – o que leva as pessoas a trocarem seus aparelhos com pouco tempo de uso, mesmo quando não precisam de novos – fazem crescer a quantidade de equipamentos descartados'', afirma.

Ele continua: “Como os materiais dos quais os equipamentos são feitos não são biodegradáveis, é necessário pensar em alternativas responsáveis e ambientalmente corretas de reuso e descarte efetivo desse tipo de equipamento”.

Como funciona o Cedir e outras opções

Quem quiser levar seus eletrônicos usados para o CEDIR a partir de abril terá de agendar visitas pelos telefones (11) 3091-6455 ou (11) 3091-6454. Dúvidas sobre que material pode ser levado podem ser tiradas pelo e-mail cedir.cce@usp.br.

Existem mais locais na cidade onde se pode descartar pilhas, celulares e outros materiais eletrônicos e que podem ser encontrados com a ajuda de um site criado pela Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo em parceria com o Instituto Sérgio Motta: o e-lixo maps (www.e-lixo.org).

No site, inserindo o CEP e o tipo de e-lixo que se pretende descartar, é possível encontrar todos os locais mais próximos de casa que recebem esse tipo de resíduo.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 5/03/2010.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Qual o lugar certo do lixo eletrônico?
Você e a Política de Resíduos Sólidos
Lixo: como fazer a nossa parte
Mobilidade urbana é qualidade de vida
Você trabalha em uma empresa sustentável?
Escassez de água: drama do século 21
Arranjos produtivos são nova forma de gerar riqueza
Consumo consciente pode salvar o planeta
Simplificar a vida para ser mais feliz
Fipe conta as crianças de rua de São Paulo
Aquecimento global se combate com mudanças de hábito
 
Tags relacionadas
tecnologia; reciclagem; século 21; meio ambiente

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos