Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
quinta-feira, 21 de setembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Vida sustentável
 
Arranjos produtivos são nova forma de gerar riqueza
 
José Luiz Ricca, diretor-superintendente do Sebrae-SP, explica por que os arranjos produtivos locais, ou 'clusters', são uma novidade no cenário econômico mundial e de que forma representam esperança de emprego para quem está entrando no mercado.
 
31 de janeiro de 2009
por Paula Quental
 

A internacionalização da economia, acelerada a partir dos anos 1970, provocou grandes mudanças no modo de produzir. As empresas passaram a atuar em redes e a ter suas atividades produtivas espalhadas por vários pontos do planeta, de preferência naqueles locais onde obtêm maiores vantagens competitivas.

Uma conseqüência dessas mudanças é o desemprego crônico, estrutural. Ou seja, a sociedade de hoje não é mais capaz de absorver a mão-de-obra dos jovens que se formam todos os anos.

Porém, num jogo cheio de contradições, o capitalismo ao mesmo tempo em que gera concentração (pouco mais de uma centena de companhias domina os mercados mundiais), tende também à fragmentação, na forma de franquias e terceirizações, por exemplo.

E essa tendência de fragmentação abre espaço para as pequenas empresas, hoje as maiores empregadoras, e também para um tipo de cadeia produtiva chamada de arranjos produtivos locais (APLs) - ou, para utilizar a expressão conhecida em inglês, os "clusters".

No Brasil, o conceito de APL começou a ser trabalhado pioneiramente pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que incentiva esse tipo de organização e dá orientação para que se torne sustentável.

Os arranjos produtivos, de acordo com a definição do Sebrae, "são aglomerações de empresas localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantêm algum tipo de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa".

No estado de São Paulo, os projetos de arranjos produtivos já beneficiam direta e indiretamente 1,8 mil empresas e geram cerca de 9 mil empregos. Há APLs das mais diferentes especializações, como cerâmica, calçados, têxteis, móveis.

José Luiz Ricca, diretor-superintendente do Sebrae-SP, em entrevista exclusiva ao Bradesco Universitário, explica por que os APLs são uma novidade no cenário econômico mundial e de que forma representam esperança de emprego para os jovens que estão entrando no mercado de trabalho.

Segundo ele, os APLs resultam de uma transformação na forma de produção nas duas últimas décadas do século passado e que ganha força no século 21. Transformação essa impulsionada, principalmente, pela "revolução do conhecimento" e pela globalização.

"O arranjo produtivo tem a vantagem de ser grande em termos de produção, mas pequeno em constituição. E o pequeno tem flexibilidade e aquilo que é mais importante: emprego", diz Ricca.

O exemplo dos distritos industriais da Itália

De acordo com José Luiz Ricca, a primeira realização, na prática, dos arranjos produtivos, se deu na Itália, onde eles ganharam o nome de distritos industriais.

"A região do Norte da Itália estava sendo vítima de uma enorme informalidade. E também de uma desindustrialização muito grande. Isso ocorreu porque houve uma divisão internacional, as fábricas tradicionais se automatizaram e começaram a tomar uma outra configuração, as grandes empresas ou mudaram de localização ou simplesmente mudaram sua forma de produzir", conta.

A transformação teve reflexos também na forma como as empresas se relacionavam com os seus fornecedores e muitos perderam função depois que estas fecharam as portas.

"Foi então que os pequenos empresários que antes viviam de produzir para as grandes empresas perceberam que era possível mudar a natureza da forma de produção e partir para a criação de outras coisas, aproveitando o conhecimento anterior", prossegue ele.

Os espaços antes ocupados pelas fábricas foram tomados por pequenas e médias empresas, que passaram a produzir de maneira cooperada. A esses espaços deu-se o nome de distritos industriais. A novidade trazida pelos arranjos foi o fato de produzirem em conjunto, porém mantendo a individualidade e até mesmo a competitividade entre si.

Trata-se de uma produção muito mais associada do que coletiva, que utiliza o conceito de rede, explica Ricca. "Essa rede não tem mais aquela conotação de cliente-fornecedor, mas de pessoas que fabricam coisas semelhantes e que agora trabalham ou para complementar a cadeia produtiva ou para potenciá-la".

Ou seja, um grupo significativo de empresas de uma mesma região passa a se dedicar a todas ou quase todas as etapas de uma mesma cadeia produtiva - como nas várias etapas de produção de calçados, do design ao tratamento do couro, à costura. E potencializa a produção, na medida em que todas elas podem se unir para aumentar o volume de produção e atender a demandas, por exemplo, de exportação.

Arranjos surgem em pólos que já existem

Uma característica importante dos arranjos, ressalta Ricca, é que a vocação para um determinado ramo de produção já precisa existir, mesmo que de forma desorganizada.

"Em Tambaú (interior de SP), por exemplo, cada produtor fazia a sua telha, umas quebravam mais, outra menos, e todos se digladiando, todos perdendo. A cadeia estava inteirinha lá, desde o barro até a telha, e ainda várias empresas de prestação de serviços nesse campo. Um dia um olhou para a cara do outro e disse: que tal a gente conversar?"

Ao atuarem juntos, os produtores têm condições de atender a pedidos maiores, os custos caem, o controle administrativo melhora e sobram mais recursos para investir em tecnologia, afirma o diretor-superintendente do Sebrae. No caso específico de Tambaú, as empresas participantes do arranjo tiveram um aumento no lucro de 28%, causado por adequações feitas no processo produtivo.

Um outro exemplo citado por Ricca é o de Ibitinga, também interior de São Paulo, famosa por seus bordados de cama, mesa e banho. Essa produção, porém, estava ameaçada, tal a briga entre os produtores locais.

Num dado momento, eles perceberam que se trabalhassem unidos não só conquistariam o mercado local, como o regional, o estadual, o nacional e até o internacional. "E aí o problema passou a ser outro, dar conta de produzir para um mercado muito maior, em vez de 1500 peças, 150 mil".

Uma nova forma de pensar

Os arranjos produtivos, de acordo com o diretor-superintendente do Sebrae, introduzem uma nova forma de pensar a atividade produtiva e o lucro. A concorrência predatória é substituída pela cooperação.

"Parece contraditório, como é que você faz com que exista cooperação e ao mesmo tempo conserva a competição?", indaga. Mas é possível, sim, diz. "Produtores de municípios inteiros que fabricam determinado produto se juntam para poder fazer frente a um mercado que aumentou e serem fornecedores de uma grande empresa antes concorrente deles".

Segundo Ricca, o arranjo produtivo, ao criar um novo modelo de produção, abre também inúmeras possibilidades de trabalho. "Hoje a demanda humana se encontra no pequeno negócio, 67% dos empregos são gerados pelas micro e pequenas empresas. Os arranjos resgatam a produção com gente".

Porém, para se unirem em um APL, os pequenos empresários precisam abrir mão de posições individuais e pensar um pouco mais na questão coletiva, explica o diretor. E isso às vezes demanda algum tempo. Ele se mostra otimista com a nova geração, segundo ele, muito mais propensa a adotar idéias de coletividade.

"Nós somos criados dentro dessa visão individualista. De agora pra frente, essa geração que vem aí, esses jovens já não têm mais essa mentalidade individualista. Eles já vivem mais preocupados com o meio ambiente, com a questão social. Esses jovens de hoje têm uma visão mais aberta, mas os mais velhos ainda são do tipo ’salve-se quem puder’".

Para Ricca, os APLs inserem-se num mundo em que não há mais espaço para a "visão cartesiana da era industrial", quando a produção dividia-se entre trabalho e capital e o trabalho em várias partes. Quem produzia não tinha a visão global, só da parte. Hoje, ao contrário, diz, "quem produz, não importa o quê, tem a noção de para onde o produto vai".

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 20/07/2006.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Qual o lugar certo do lixo eletrônico?
Você e a Política de Resíduos Sólidos
Lixo: como fazer a nossa parte
Mobilidade urbana é qualidade de vida
Você trabalha em uma empresa sustentável?
USP faz reciclagem de computadores velhos
Escassez de água: drama do século 21
Consumo consciente pode salvar o planeta
Simplificar a vida para ser mais feliz
Fipe conta as crianças de rua de São Paulo
Aquecimento global se combate com mudanças de hábito
 
Tags relacionadas
economia; arranjos produtivos locais; século 21; trabalho; empreendedorismo

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos