Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
quarta-feira, 29 de março de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Saúde e bem-estar
 
Excesso de exercícios prejudica a saúde
 
Praticar atividades físicas é fundamental para a qualidade de vida, mas os excessos podem trazer mais problemas para o corpo do que o sedentarismo. Especialista alerta para o risco do "overtraining".
 
17 de junho de 2007
por Michele Vitor
 

No cuidado com a saúde, um dos poucos consensos diz respeito à prática de exercícios físicos. Entre as vantagens da atividade física estão o fortalecimento dos ossos e da musculatura, a renovação da energia e a contribuição para o equilíbrio entre corpo e mente. Porém, tudo isso só é alcançado se os exercícios forem feitos de forma correta.

O modismo de academias fez com que surgisse um novo problema em relação à atividade física. Há quem se preocupe mais com vaidade do que com a saúde, deixando de se alimentar corretamente e exagerando nos exercícios. Tudo para alcançar o que supõe ser o padrão de beleza.

Nessa corrida em busca da perfeição, muitas vezes os limites do próprio corpo não são respeitados e, em vez de melhorias, o que se colhe são danos ao organismo.

“É importante estar atento aos sinais do corpo para diagnosticar se os limites foram ultrapassados e a saúde prejudicada”, alerta Fernanda Nunes, professora de educação física e monitora de ginástica laboral graduada pela Universidade Cruzeiro do Sul.

Segundo ela, alguns dos sintomas causados pelo excesso são: “dor muscular, redução do desempenho, variações de apetite e peso, queda do sistema imunológico, aumento da freqüência cardíaca, insônia, lesões repetidas, depressão e irritabilidade, além das variações nas taxas hormonais”.

Atividade física pode se tornar um vício

O excesso de exercícios físicos pode gerar ou ser decorrência de um vício. A pessoa se torna dependente do hormônio endorfina, que é liberado quando se pratica atividade física e causa uma sensação de bem-estar.

Esse vício é chamado por alguns especialistas de síndrome de overtraining ou supertreinamento.

Passar horas malhando é tão prejudicial quanto levar uma vida sedentária, pois causa um desgaste físico intenso devido ao excesso de treino que não respeita as recuperações biológicas, físicas e emocionais, explica a especialista Fernanda Nunes.

Para evitar esses problemas, existem alguns requisitos básicos. Por exemplo, passar por uma avaliação médica antes do início dos treinos, buscar uma boa academia onde haja profissionais qualificados que acompanhem os treinos e passem exercícios indicados para cada pessoa e intercalar a prática de exercícios. Três vezes por semana é o suficiente.

Cada corpo tem seu limite

Segundo a professora Fernanda Nunes, não existe uma fórmula universal do que é aconselhável em termos de prática de exercícios. Cada pessoa tem seu limite e reage de forma diferente. O que é excesso para um pode não ser para outro. O importante, diz ela, é estar atento às sensações transmitidas pelo corpo.

Todo exercício deve ser feito de forma moderada, e isso vale para treinos em academias, caminhadas na rua e até mesmo as famosas peladas de final de semana.

No caso das peladas, é preciso redobrar a atenção, pois normalmente os participantes não estão acostumados a um ritmo intenso de treinamento, e algumas vezes aliam a atividade exagerada à má alimentação, ao excesso de bebidas inadequadas e à exposição ao sol e ao calor. Todos esses fatores somados podem agravar o desgaste do organismo.

Praticar exercícios é essencial para a vida, tanto de crianças, adultos quanto de idosos. Mas todos devem ser acompanhados e avaliados de acordo com suas necessidades, conclui a especialista.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 30/01/2007.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Saiba se você é um ''Facebookólatra''
Um pouco de ansiedade pode ajudar
Gengibre: saboroso e medicinal
Para emagrecer é preciso 'ter cabeça'
Não é preciso comer muito para comer em excesso
A boa memória depende de saber esquecer
A importância de ler rótulos dos alimentos
Organize seu tempo e seja feliz
Neuróbica, a ginástica para o cérebro
Alimentação saudável é seguro contra estresse
Alongamento ajuda a diminuir as tensões do dia-a-dia
Amadurecer exige esforço e autoconhecimento
Hábitos alimentares podem influenciar nos estudos
Física quântica e os livros de autoajuda
 
Tags relacionadas
saúde; corpo; estresse

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos