Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sexta-feira, 26 de maio de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Mundo profissional
 
Profissional do século 21 manda na própria carreira
 
O especialista em gestão de carreiras João Florêncio Bastos Filho afirma que, para ser bem-sucedido, o indivíduo terá, cada vez mais, de se responsabilizar pelo próprio rumo profissional, estar atento às tendências do mercado e praticar a educação continu
 
31 de janeiro de 2009
por Paula Quental
 

É o que diz o especialista em gestão de carreiras João Florêncio Bastos Filho, para quem, além disso, o profissional tem de estar atento para a necessidade da educação continuada.

“Isso pode ser feito por canais formais, pelo ensino a distância, de forma autodidata. Educação continuada é, primeiro, uma atitude, e a pessoa não pode ser passiva, tem de ir atrás do conhecimento”, explica ele.

Para João Florêncio, os jovens estão sendo impelidos a tomar decisões sobre o rumo profissional cada vez mais cedo. Muitos já têm contato com o mercado de trabalho antes de concluir uma graduação, valendo-se dos seus diplomas de curso técnico ou profissionalizante.

“Esse jovem não precisa do curso superior para se dar bem, e ele faz escolhas independentemente da faculdade. Pode-se dizer que hoje há mais opções, e que elas não passam pelo diploma”, diz.

Cursos de curta duração

Professor de pós-graduação de Gestão de Pessoas da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) e consultor na área com certificação CMC (Certified Management Consultant pelo ICMCI, órgão da ONU), João Florêncio chama a atenção para a tendência de multiplicação, de cinco anos para cá, dos cursos de curta de duração, os chamados cursos tecnológicos.

Embora com um conteúdo mais técnico, focado em atividades profissionais bem definidas e especializadas, esse curso tem nível superior. Funciona como uma graduação, porém com duração de dois anos e meio, em média.

“Os cursos de curta duração lembram os cursos profissionalizantes, com um nome novo”, diz. Mas a questão aqui não é questionar a sua existência. Para o professor, a procura por este tipo de curso mostra que os jovens estão mais cedo focados no mercado, já sabendo o que vão fazer.

Isto não quer dizer que o curso universitário tradicional é dispensável, ele explica, mas que deixou de ser a única forma de ingresso na vida profissional, e numa bem-sucedida vida profissional. O valor do curso universitário virá do que se souber fazer dele, e isso o jovem vai decidir.

Esse tipo de atitude, diz o professor, vai cada vez mais permear toda a vida profissional. O século 21 está se caracterizando por uma mudança nas relações entre profissionais e organizações e a tendência é que a responsabilidade sobre os rumos da carreira fique a cargo dos indivíduos.

Âncoras, portos e timoneiros

Essa carga maior de decisão dos rumos profissionais jogada sobre os ombros do indivíduo como uma tendência dos novos tempos é o tema do livro que o professor João Florêncio lançou recentemente, “Gestão de carreiras – âncoras, portos e timoneiros” (editora Fênix).

De acordo com o especialista, o lado bom de ter mais responsabilidade é contar com mais opções de escolha. “Quanto mais opção melhor, isso também estimula a pesquisa”, diz.

No último capítulo do seu livro, João Florêncio lembra que no mercado de trabalho brasileiro, principalmente nos grandes centros, há uma valorização maior do conhecimento em poder dos colaboradores (sem vínculo empregatício tradicional), que promovem uma troca de informações “em velocidade estonteante, devido às facilidades da tecnologia digital”.

Em certo sentido, portanto, assumir a responsabilidade sobre os rumos da própria carreira poderá ser admitir a possibilidade de estabelecer novas formas de relacionamento com o trabalho, sem os tradicionais contratos de carteira assinada e presença física diária nas sedes das empresas.

E, segundo escreve o professor, “para perceber as principais tendências no mercado de trabalho, devemos nos conscientizar de que a educação continuada representa uma poderosa âncora, de que não podemos abrir mão, seja qual for o rumo que nossas carreiras venham a tomar”.

A educação continuada, segundo ele, sendo entendida como “um processo que, além de se prolongar por toda a nossa existência, não pode restringir-se à escola, mas precisa envolver todos os espaços onde ocorrem os relacionamentos interpessoais (família, comunidade e trabalho), visando a nos tornar responsáveis pela nossa própria educação”.

Por fim, o professor ensina que nos tempos atuais precisamos caminhar de posse de um conjunto de princípios e valores, a nossa “âncora”, que lançamos num “porto”, ou estágio da vida profissional, nunca deixando de agir como “timoneiros” da própria carreira.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em outubro de 2005.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Trabalho a distância cresce no País e ganha lei
O perfil do líder no século 21
Trabalho e felicidade
O profissional precisa encontrar a sua marca
Faltam homens do tempo
'Geração Y' impõe desafios às empresas
Generalistas ou especialistas?
O desafio do negócio próprio
O mercado precisa de profissionais verdes
O poder do bom humor
Para que serve o ''feedback''?
Seja dono do seu futuro profissional
Trabalho, emprego e novos nichos
Cresce o número de jovens donos de franquias
Dicas para trilhar uma carreira de sucesso
Geração empreendedora 2.0
Ninguém faz sucesso sozinho
O idioma estrangeiro na entrevista
O que o jovem quer da vida?
A única coisa certa é que é preciso mudar
É possível negociar direitos sendo PJ?
Eu, Pessoa Jurídica
Como enfrentar a angústia por não conseguir estágio
Descobrir o próprio talento é condição para o sucesso
Em um mundo sem emprego, aprenda a procurar trabalho
Na dinâmica de grupo, o importante é ser você mesmo
Quando surge a dúvida no meio do curso
Criatividade é cada vez mais valorizada
Autoestima é essencial para o sucesso profissional
 
Tags relacionadas
carreira; século 21; empreendedorismo

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos