Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
domingo, 22 de outubro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
A cultura movimentando a economia do planeta
 
São Paulo abriga o Fórum Internacional de Economia Criativa, evento que reuniu representantes de 11 países e teve seus debates reproduzidos por vários sites na internet. A economia criativa está sendo apontada como um dos setores com possibilidade de dese
 
18 de dezembro de 2007
por Paula Quental
 

Pode até ser que o conceito de indústria criativa ainda não esteja claro, como fizeram questão de pontuar quase todos os participantes do Fórum Internacional de Economia Criativa, realizado entre 4 e 6 de dezembro, na sede da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), na capital paulista, e divulgado na web pelo Centro Cultural Bradesco, no Second Life.

O fato, entretanto, é que este segmento da economia que envolve a indústria cultural e várias outras atividades relacionadas com direitos autorais e criação, como artesanato, moda, design e desenvolvimento de softwares, está ganhando importância.

E tanta importância que o seminário foi acolhido na sede da maior organização industrial do país e promovido pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo em parceria com a Unidade Especial de Cooperação Sul-Sul da Organização das Nações Unidas (ONU) e a Agência de Desenvolvimento do Município de São Paulo.

Teve ainda o patrocínio e o apoio de várias instituições, entre elas o Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa de São Paulo (Sebrae-SP), BNDES, Consulado do Canadá, Embaixada Britânica, Centro Cultural da Espanha em São Paulo, Fundação Padre Anchieta etc.

A explicação para todo esse movimento não deixa de ser simples: a chamada economia criativa está sendo apontada como um dos setores com grande possibilidade de desenvolvimento sustentável do século 21, sendo responsável hoje por geração de riquezas que correspondem a 8% do PIB mundial.

Mas o assunto é tão complexo, que não pode ser tratado apenas com indicadores como geração de renda e de empregos, lembrou o secretário de Cultura de São Paulo, economista João Sayad. Segundo ele, a razão de promover este Fórum foi tentar entender o que é a economia criativa e ouvir relatos de experiências de vários países.

“A arte sempre reclamou da presença da economia, que a transformava em negócio. Porém, desde 1997, a questão se inverteu: passou-se a pensar em como a arte poderia ajudar a economia”, disse Sayad.

A referência a 1997 se explica porque foi nesta data que o então primeiro-ministro britânico Tony Blair designou setores da economia inglesa que poderiam melhorar a performance no competitivo cenário internacional e os chamou de “indústrias criativas”.

Tais setores tinham em comum a possibilidade de gerar direitos de propriedade intelectual, e, portanto, agregar valor a mercadorias ou serviços desenvolvidos de forma muito parecida em todo o mundo globalizado.

A economia criativa, segundo Sayad, está sendo responsável pela revitalização de algumas áreas antes degradadas, e pela agregação de valor às mercadorias. Na cidade de São Paulo, por exemplo, a Secretaria de São Paulo tem planos para criar em uma região próxima à av. Paulista um pólo de cinema e animação, revelou.

O Projeto Nova Luz, de revitalização da degradada região central da cidade, que envolve recuperação urbanística e restauração de prédios históricos, além de incentivos fiscais para que empresas mudem suas sedes para a região, também é um exemplo de como a economia criativa pode recuperar economicamente um local.

No Recife, Pernambuco, a criação do Porto Digital, um pólo de empresas de tecnologia, é outra experiência que mostra como a economia criativa pode gerar empregos e revitalizar uma região da cidade, no caso a zona portuária.

Vários exemplos parecidos de indústria criativa funcionando como motor de desenvolvimento regional ou de recuperação de um segmento da economia foram relatados no Fórum.

Entre os convidados estrangeiros, Paulina Becerra, coordenadora do Centro Metropolitano de Design de Buenos Aires, Argentina, esteve, por exemplo, falando sobre a transformação da capital na “cidade do design”; Joci Pardo, diretor Laboratório de Cultura da Barcelona Media - Centro de Inovação, discorreu sobre o tema “Transformando cidades e regiões com criatividade”; Xavier Marcé, diretor do Instituto Catalán de las Industrias Culturales, falou sobre “Indústrias Culturais – movimentando valores simbólicos e econômicos”.

E ainda, para citar mais dois: Ernesto Piedras, economista do ITAM London School of Economics, defendeu como pressuposto à concretização econômica da cultura a sua ampla circulação e o amplo acesso aos seus bens; Keith Chang, diretor da Divisão de Comércio e Investimentos do Canadian Heritage, falou sobre a importância da economia criativa para o seu país, que movimenta 4% da produção de riquezas, e de como o Canadá vem exportando produtos e serviços culturais.

O secretário-executivo do Ministério da Cultura, Juca Ferreira, que representou o ministro Gilberto Gil no evento, lembrou que a economia da cultura “é uma das principais oportunidades para países em desenvolvimento”.

Além de representar a produção simbólica de um povo, a economia criativa, segundo ele, tem tanta força econômica que seus bens e serviços representam, desde 1996, o principal produto de exportação dos Estados Unidos (basta citar como exemplo o cinema e a indústria de games).

Ricardo Tortorella, diretor-superintendente do Sebrae-SP, forneceu outros dados bastante impressionantes. Segundo ele, há hoje no Brasil 270 mil empresas ligadas à produção cultural. O segmento emprega 1,5 milhão de brasileiros e tem grande potencial de crescimento. Atualmente, acrescentou, 7% do orçamento das famílias são destinados a produtos culturais.

Salários melhores

Outro palestrante do Fórum Internacional de Economia Criativa, Aurílio Sérgio Caiado, pesquisador da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), destacou, em sua palestra “Números preliminares da economia criativa no Estado de São Paulo”, que, apesar de ainda contar com um segmento informal e inconstante, a economia criativa contrata pessoas com melhor formação e melhores salários.

Ele citou números colhidos a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio-2006 (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo os quais 44,7% dos brasileiros empregados nos meios relativos à produção criativa possuem carteira assinada, contra 37% na média total.

Os salários desta área são ainda 51% maiores do que a média nacional. Segundo dados que apresentou, a economia criativa é responsável por 2,55% dos empregos formais na capital paulista, ou 93.846, e por 1,45% dos empregos formais no Brasil, o que corresponde a 482.822.

Mas se forem computadas as ocupações, sejam elas formais ou não, o número sobe para 3,5% das ocupações no Brasil (3,1 milhões); 5,7% no estado de São Paulo (1,1 milhão) e 7,7% na região metropolitana (mais de 720 mil pessoas) relacionadas à economia criativa.

Explicando melhor o conceito

Aurílio Caiado, da Fundação Seade, fez questão de deixar claro o conceito de economia criativa, segundo ele “o ciclo que engloba a criação, produção e distribuição de serviços que usam a criatividade, o ativo intelectual e o conhecimento como principais recursos produtivos”.

De acordo com o pesquisador, economia criativa faz parte do conceito mais amplo de economia baseada no conhecimento (knowledge based economy), o qual abrangeria ainda a economia da inovação e a economia da cultura.

No caso da economia criativa, as características, em resumo, são: atitudes econômicas que combinam criatividade e técnicas e/ou tecnologias agregando valor ao ativo intelectual; associação entre talento e objetivos econômicos; ser ao mesmo tempo ativo cultural e produto ou serviço comercializável; incorporar elementos tangíveis e intangíveis dotados de valor simbólico.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 18 de dezembro de 2007.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
economia da cultura; indústria criativa; desenvolvimento sustentável; século 21

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos