Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sexta-feira, 26 de maio de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Saiba o que é indústria criativa
 
O conceito, também conhecido como economia criativa, ganha força e diz respeito à criação, produção e distribuição de produtos culturais e relacionados ao conhecimento. Veja como a cultura está se tornando opção econômica e de desenvolvimento.
 
30 de abril de 2007
por redação
 

Ganha força no mundo atualmente o conceito de economia criativa. Ainda sem definição precisa, a economia criativa envolve criação, produção e distribuição de produtos culturais, aqueles que usam o conhecimento e a criatividade como principal recurso, abrangendo desde o artesanato, artes cênicas e visuais, à indústria de softwares.

Sua importância é comprovada por dados fornecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU), que estima a movimentação financeira mundial de produtos culturais em US$ 1,3 trilhão, ou 7% do PIB mundial.

A expectativa é que nas próximas décadas as indústrias criativas cresçam cerca de 10% ao ano – quatro vezes mais que o restante da indústria, nos seus vários ramos.

Esse potencial, no entanto, está limitado aos países desenvolvidos, pois apenas cinco deles controlam 60% do mercado cultural atualmente. A América Latina e a África, com toda a diversidade que possuem, não somam 4% de movimentação. Para se ter uma idéia, 80% das salas de cinema do mundo pertencem a empresas de Hollywood.

“No Brasil, os setores envolvidos diretamente com a economia criativa têm pouca noção do seu poder. Seguem na mesmice, brigando por poucos espaços e recursos, numa concepção de cultura que ainda é do século 19, com seus museus, salões, saraus e teatros, ocupados por e para uma elite”, comenta Lala Deheinzelin.

Lala, que é conhecida do grande público como atriz, atua como produtora e consultora cultural, coordenadora do Programa de Economia Criativa do Sul-Sul da ONU (Organização das Nações Unidas), é vice-presidente executiva do Instituto Pensarte (SP) e colunista do site Cultura e Mercado (www.culturaemercado.com.br), no qual publica diversos artigos sobre o assunto.

Segundo ela, o que torna a economia criativa particularmente especial do ponto de vista social e econômico é seu caráter de inclusão. Ela surge como uma alternativa para o desenvolvimento e emprego para países em desenvolvimento.

É esperado que, ao promover a inclusão, a economia criativa também forme novos mercados. “Não é mais possível englobar apenas 30, 40% da população mundial. É preciso fazer com que a cultura seja democratizada e todo o restante adquira cidadania de fato”, diz Lala.

Crescimento sustentável

Em um mundo onde a circulação de bens de consumo materiais está provocando danos ao meio ambiente, a indústria de bens culturais pode ser uma solução para empregar e gerar renda – sem destruir o planeta.

“A economia criativa promove desenvolvimento sustentável e humano, e não mero crescimento econômico. Seria então uma economia do intangível: um setor que se dedica a gerar resultados tangíveis, como desenvolvimento, trabalho e recursos, a partir de elementos intangíveis, como conhecimento tradicional, artes e propriedade intelectual”, explica.

No Brasil, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Cultura, o setor cultural ocupa 3,7 milhões de pessoas, ou 4,5% do total de trabalhadores. Sua receita líquida em 2003 foi de R$ 156 bilhões, o que representa 7,9% do total da receita de todos os setores.

Mas a economia criativa ainda precisa ser impulsionada. Para tanto, é necessário conscientizar financiadores e gestores sobre a urgência de ações conjuntas entre poder público, iniciativa privada, terceiro setor e universidades, bem como dos setores da cultura, economia, turismo e relações exteriores, defende Lala.

É preciso ainda fomentar, segundo ela, o desenvolvimento de novos negócios, que impliquem novos usos das linguagens artísticas e novos formatos de difusão e distribuição do produto cultural, dirigido a novos públicos, em novos espaços.

“Um exemplo simples está na parceria entre os que produzem matéria-prima artesanal, como as rendeiras, e os que podem utilizá-la de maneira mais criativa, agregando valor, e até exportando, como os estilistas”, pontua Deheinzelin.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em janeiro de 2007.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
cultura; economia da cultura; indústria criativa

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos