Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sábado, 22 de julho de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Drummond, poeta inovador
 
Vinte anos após sua morte, o mineiro Carlos Drummond de Andrade é tido como autor de uma obra tão brilhante quanto atual, e com grande poder de sedução sobre as novas gerações.
 
14 de dezembro de 2007
por Tales Ponce e Yuri Salso
 

No dia 31 de outubro de 1902 nascia em Itabira, interior de Minas Gerais, um dos maiores poetas da literatura brasileira. Carlos Drummond de Andrade estreou causando escândalo nos círculos literários, com o poema “No meio do caminho”, publicado na Revista de Antropofagia, em 1928.

“No meio do caminho tinha uma pedra/ tinha uma pedra no meio do caminho/ tinha uma pedra/ no meio do caminho tinha uma pedra...”, escrevia, em um texto repetitivo, sem pontuação, métrica ou rima, características consideradas na época indignas da boa poesia.

Vinte anos após a sua morte, aos 84 anos, Drummond ainda é considerado inovador e o maior exemplo do uso exuberante da simplicidade. Nas mãos do poeta, fatos e acontecimentos do dia-a-dia transformam-se em poesia da maior qualidade.

Na opinião do crítico literário e professor aposentado de teoria literária da Universidade de São Paulo (USP) Davi Arrigucci Jr., autor do ensaio sobre Drummond “Coração Partido”, publicado recentemente pela editora Cosac & Naify, a obra do poeta mineiro mantém a atualidade.

Arrigucci Jr explicou, em entrevista à revista online Trópico, que Drummond é moderno porque “o leitor se sente representado naquilo. Até hoje é assim. As questões continuam palpitantes, seja no universo do amor, da vida familiar, na experiência da cidade grande ou no contato com a política e o grande mundo. Todas as complicações da história do século XX estão configuradas em sua poesia”.

Para a professora de redação publicitária do curso de comunicação da Universidade Presbiteriana Mackenzie Silvia Cristina Silva Martins, chama a atenção em Drummond questões como a inquietação e a ironia diante da vida e a visão crítica em relação ao homem.

“Isso é evidenciado em alguns trechos: “Quando nasci, um anjo torto/ desses que vivem na sombra/ disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida”, diz ela, recitando os versos iniciais do célebre “Poema de sete faces”.

A penúltima estrofe deste mesmo poema é bem conhecida também: “Mundo mundo vasto mundo/ se eu me chamasse Raimundo/ seria uma rima, não seria uma solução./ Mundo mundo vasto mundo,/ mais vasto é meu coração”.

Esses são alguns dos motivos pelos quais Drummond é considerado leitura obrigatória, explica a professora, que ressalta, também, o lirismo do poeta: “Apesar de sua ironia e inquietação, o que mais me chama a atenção em suas obras é a nostalgia sobre sua cidade natal. Lembro-me de entrevistas dele. Sempre quando ele falava de Itabira seus olhos enchiam-se de lágrimas”.

Jovens e poesia

Na opinião da professora Silvia Cristina Silva Martins, os jovens de hoje se interessam pouco por poesia. Ela arrisca um motivo: “Eles estão mais voltados para a era virtual, para os MSN e Orkuts da vida”, diz.

Esse desinteresse, além disso, segundo ela, pode ser explicado pela falta de incentivo por parte dos professores, os quais, por sua vez, precisam ser mais bem preparados. “Muito giz, saliva, saber contar a história para os alunos e por aí buscar de dentro deles outras histórias, basicamente é isso”, opina.

“Tem muita gente boa escondida pela falta de divulgação. E tem muita coisa dentro das pessoas, dos alunos, que está escondido. Se conseguíssemos colocar isso pra fora, quem sabe não teríamos tantos outros ‘Drummonds’ por aí”, arrisca a professora, que defende que as próprias universidades divulguem mais a poesia produzida pelos alunos.

Segundo Silvia, existem alunos com muito talento para a poesia mas que têm dificuldades para tornar seu trabalho mais conhecido. Ela cita o exemplo de Thiago Bechara, estudante de jornalismo do Mackenzie.

Aos 20 anos, Thiago Bechara já teve dois livros de poesia publicados, “Impressões” (2002, independente) e “Encenações” (2004, Editora Zouk). Fã de Carlos Drummond de Andrade, ele também considera as obras do autor obrigatórias para os que gostam de poesia e literatura.

“Drummond usa uma estrutura gramatical muito simples, aparentemente algo infantil, mas por de trás disso revela um raciocínio complexo e articulado, com um movimento engajadíssimo”, diz.

Para Thiago, a barreira que afasta o jovem da poesia é a falta de oportunidade e incentivo. “Deveria haver mais incentivo, não só por parte do governo. Jornais e revistas deveriam abrir espaço para publicações, incentivar jovens a publicar seus textos e também a escrever mais. Tem muita gente boa que está anônima”.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 9 de outubro de 2007.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
cultura; literatura, poesia

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos