Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sábado, 22 de julho de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
 
Universitários lotam casas noturnas em São Paulo e Rio para ouvir e cantar samba de raiz, como há muito não se via. O movimento reforça o vaticínio de Nelson Sargento, para quem o samba, uma das maiores riquezas da música brasileira, "agoniza, mas não mor
 
30 de abril de 2007
por Ana Freitas
 

Ao que tudo indica, Nelson Sargento tinha razão quando compôs os versos “samba agoniza, mas não morre. Alguém sempre te socorre, antes do suspiro derradeiro”. Mesmo num momento como o atual, quando bandas e músicas são cada vez mais perecíveis, letras de Pixinguinha, Noel Rosa e Cartola ainda são cantaroladas, e não apenas pelas tradicionais velhas-guardas, mas também por uma nova geração de sambistas e, principalmente, de público.

Grande parte dos freqüentadores das rodas de samba que ocorrem atualmente pelo país é formada por pessoas que nasceram quando “Pelo Telefone”, primeiro samba gravado em 1917 por Donga, já fazia mais de 50 anos de composto. São jovens entre 20 e 30 anos que sabem de cor versos de clássicos de Clara Nunes, Jamelão e Adoniran Barbosa.

Se o chamado “samba de raiz” pouco toca em rádios, muito menos faz parte de trilhas sonoras de novelas, os adeptos do ritmo conseguem encontrar raridades entre os vinis dos pais ou avós ou até mesmo reedições em CD.

“São poucas as rádios que tocam samba de verdade, mas quem gosta mesmo sabe onde procurar”, comenta a estudante de jornalismo Eliza Cerisola, de 20 anos.

Segundo o músico e compositor Alemão do Cavaco, “a mídia nunca deu muito espaço para o samba, mas, de uns tempos para cá, cedeu ao sucesso de músicos como Jorge Aragão e abriu um pouco as portas”.

O fato é que clássicos nunca saem de moda e, com o passar da adolescência, muitos percebem que música é muito mais que um refrão fácil e acordes repetitivos. “Os jovens hoje são mais politizados e até os que antes ouviam apenas pagode já escutam samba porque perceberam que é uma música de qualidade, e não um som reciclável, que ‘dura’ pouco e logo é jogado fora”, diz Alemão.

Ritmo é retrato da boemia

Fora de casa, este público já foi descoberto por donos de bares e casas noturnas e novas opções de lugares para ouvir o bom e velho samba não param de aparecer.

No Rio de Janeiro, o bairro da Lapa sempre foi uma referência de boemia carioca por atrair intelectuais e artistas de diversas tribos musicais. O samba, no entanto, é considerado a essência do bairro e foi ele o responsável pela revitalização ocorrida na Lapa após alguns anos de decadência e abandono.

A partir de 2001, os tradicionais antiquários da região passaram a abrir suas portas para rodas de samba e chorinho, que unidas à comida típica de bar e ao chope de qualidade, trouxeram de volta os adeptos da boa música. O resultado foi que novas casas surgiram e hoje até mesmo o Circo Voador, conhecido por ser um berço do rock nacional, tem dias dedicados exclusivamente ao samba e à MPB.

Já em São Paulo, é na Vila Madalena que a boemia tem aberto espaço para que o samba se dissemine.

“A Vila é um bairro de perfil despojado, tem muitos bares, muita arte e o jovem gosta disso, de circular, ver coisas e pessoas novas, não tem preconceitos. Como samba faz parte deste universo, é natural que curtam também”, explica Fernanda Silva, dona do bar Salve Simpatia, uma das primeiras casas do bairro voltadas especialmente para o samba.

Para Alemão do Cavaco, o público entre 20 e 30 anos sempre este presente nas rodas de samba, mas tem sido mais freqüente nos últimos anos.

“Este pessoal sempre se interessou por samba. É natural que depois da adolescência passem a perceber melhor o cuidado dos músicos com os arranjos e com as letras e optem por ouvir uma música mais trabalhada. E, como o samba tem aos poucos ganhado espaço na mídia frente ao pagode, o público naturalmente tem aumentado”, expõe o músico, que se divide entre rodas de samba de Rio e São Paulo.

Samba e feijoada, casamento perfeito

A união entre os dois “souvenires” mais famosos do país, samba e feijoada, também é responsável por atrair universitários e gerações mais velhas para a mesma roda. Seja num bar na Vila Madalena ou na quadra de uma escola de samba no Rio, a velha-guarda se orgulha em poder transmitir sua experiência e energia aos mais novos.

Considerada quase um ritual, as feijoadas enriquecidas com samba já fazem parte da história da música brasileira. Foram através delas que muitos sambistas se conheceram e formaram parcerias que resultaram em grandes repertórios, como Clara Nunes e Paulinho da Viola.

Estes encontros das tardes de sábado já são freqüentes na rotina de muitos que estão descobrindo agora a tradição do samba.

Mas engana-se quem achas que ir a uma das feijoadas é abandonar o tradicional almoço de fim de semana em família. Em uma rápida passada em qualquer um dos lugares que celebram esta espécie de comunhão entre música e feijão, é fácil perceber que pais e filhos, tios e sobrinhos sentam na mesma mesa, dividem a mesma comida e dançam juntos.

“Nos dias de feijoada, o perfil do público é ainda mais jovem, mas o pessoal da antiga também aparece sempre. Acho interessante os mais novos curtirem uma música que tem tanta tradição, principalmente quando tanta coisa nova aparece todo dia”, diz Fernanda.

Como músico, Alemão do Cavaco também comemora o aumento do novo público. “Não somos de buscar espaço através da mídia, e o interesse dos jovens mostra que ela é importante, mas não determinante no gosto das pessoas”, comenta.

A estudante Eliza concorda. “Tem os que gostam da música que foi feita apenas para vender, mas quem gosta de samba, gosta desde sempre, não é porque a mídia deu espaço ou não”, diz.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em junho de 2006.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
música; cultura

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos