Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
quinta-feira, 21 de setembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
O mercado de animação de vento em popa
 
O setor de animação cresceu muito no país desde que Marcos Magalhães foi premiado em Cannes, em 1982, com o curta "Meow!".
 
23 de março de 2010
por Ana Luiza Hupe
 

O campo de animação no Brasil começa a ganhar mais espaço no mercado. Essa é a opinião de Marcos Magalhães, animador e um dos quatro idealizadores do hoje maior festival de animação das Américas (incluindo EUA e Canadá), o “Anima Mundi”.

Em 1982, quando foi premiado no festival de Cannes com o curta-metragem “Meow!”, sobre um gato manhoso que foi convencido a trocar leite por refrigerante, Marcos era um dos raros do seu ramo a atuar no país. Hoje, em parte por causa do “Anima Mundi”, que vem ajudando a formar público e também profissionais, já há bem mais gente produzindo desenhos animados no Brasil.

Só para dar um exemplo, a TV Rá Tim Bum, canal a cabo da Fundação Padre Anchieta dedicado ao público infantil, está lançando 19 séries de desenhos animados, todos produzidos na sede da TV Cultura, em São Paulo. Além disso, há o pioneiro estúdio Mauricio de Sousa Produções, às voltas com o longa-metragem em 3D do personagem Horácio.

Já há algum tempo o talento para animação dos brasileiros é conhecido de grandes estúdios internacionais. Há vários profissionais lá fora, entre eles Carlos Saldanha, um dos responsáveis por sucessos como “A Era do Gelo”.

Magalhães foi um dos primeiros animadores-empreendedores brasileiros. Ainda quando estudava arquitetura, ele tinha duas animações em 35 mm prontas. Conseguiu uma bolsa de estudos para o National Film Board, instituto no Canadá que promove filmes de animação. Queria estudar com Norman Mc Laren, um dos grandes nomes dessa arte.

Voltando do exterior, ele foi premiado em Cannes. “O prêmio gerou visibilidade para a animação, pessoas souberam que existiam animadores no Brasil”, comenta.

Na época, a extinta Embrafilme o convidou para coordenar o núcleo de animação que estava sendo criado. Foi no Centro Técnico Audiovisual (CTAV) que os primeiros animadores nacionais começaram. Da turma de dez alunos de Magalhães, três saíram seus sócios no empreendimento de montar o festival de animação, Aida Queiroz, Léa Zagury e Cesar Coelho.

De lá para cá, o festival cresceu muito e com as novas tecnologias, ganhou novos braços: o “Anima Web”, o “Anima Celular” e o “Anima Escola”. Este último, um programa que ensina a linguagem da animação nas escolas, seja com desenhos, bonecos de massa de modelar ou mesmo usando o próprio corpo (pixilation).

Para ajudar nessa missão, a equipe do festival desenvolveu um software livre chamado Muan que facilita não só a vida dos animadores, como também dos professores. É uma ferramenta que desmistifica o processo de criação de uma animação.

“O Muan funciona como um ‘pencil-test’, ele captura a sequência de imagens fixas e a reproduz imediatamente, assim o animador pode perceber se falta algum desenho na sequência”, explica Magalhães. Em sala de aula serve para o professor mostrar de forma rápida e fácil como uma animação é criada.

O interesse por novas e diferentes tecnologias sempre norteou o trabalho de Magalhães, que, em seu último curta, “Homem Estátua”, animou desenhos de alunos seus numa disciplina eletiva de desenho de modelo vivo, integrante do curso de desenho industrial da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio.

“Fiz a experiência de criar uma unidade a partir dos vários estilos de desenho e deu super certo. A partir daí eu pensei numa história em que pudesse usar isso”, conta o animador.

Admirador da Disney e Pixar “por serem virtuoses da sua técnica”, ele também gosta de trabalhos de japoneses que fazem PikaPika, uma técnica de animação a partir de luzes de lanternas.  Cita os grafites animados – sequências de 24 fotos de desenhos grafitados postos em movimento - como novidades recentes animadoras, com duplo sentido.

“No ‘Anima Web’, recebemos muitos filmes feitos por iniciantes, o que me interessa pessoalmente”. Ele explica que pela falta de vícios dos realizadores às vezes surgem produções inovadoras. Como a web elegeu o flash como plataforma, o “Anima Web” e “Anima Celular” também o utilizam. Uma ferramenta simples que estimula quem nunca se arriscou na animação antes a produzir.

A animação se prolifera por quase toda produção audiovisual hoje, até mesmo documentários se servem dela. Storyboard, letreiros de apresentação, créditos e manipulações nas imagens são na essência animações.

Para Marcos, é gratificante ver que as animações são cada vez mais usadas em projetos de empresas. Ele conta que está desenvolvendo um projeto para o Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) e observa que a demanda do mercado de trazer a animação para exemplificar conteúdos vem crescendo.

“No Iphan estamos usando a animação como uma forma de passar informação aos funcionários”, exemplifica.

O festival brasileiro

A primeira e tímida edição do festival do “Anima Mundi” foi em 1993, no Rio de Janeiro, e desde o início o mote era não só informar o espectador, como contribuir com sua formação. Diversos workshops são oferecidos desde então para o público. Essa iniciativa foi sem dúvida uma das responsáveis pela popularização da animação, que faz cada vez mais conquistas no Brasil.

Em julho último, a 16ª edição do festival reuniu cerca de 100 mil espectadores no Rio e em São Paulo. Para efeito de comparação, Annecy, um dos festivais de animação mais respeitados do mundo, que acontece na cidade de mesmo nome na França, vendeu no último ano 115 mil ingressos.

“Em geral, os festivais são voltados para o público especializado. Esse incentivo à participação do público nos moldes como é feito hoje é um grande diferencial do evento brasileiro”, diz Marcos Magalhães.

A próxima edição do “Anima Mundi” será de 10 a 19 de julho no Rio e de 22 a 26 de julho em São Paulo. Vale a pena dar uma olhada no site www.animamundi.com.br e ver como você pode participar.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em abril de 2009.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
animação; cinema; cultura; economia da cultura

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos