Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
segunda-feira, 11 de dezembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Quantos livros cabem no seu bolso?
 
Os leitores eletrônicos de livros digitais, mais conhecidos como e-reader ou e-book, são capazes de carregar até 1.500 obras de uma vez só. Práticos e leves, prometem revolucionar o formato do livro de papel.
 
21 de março de 2010
por Camila Passetti
 

Com 500 anos de existência, o livro apresenta variedade de formas, tamanhos e tipos de papel, mas o objeto, propriamente dito, manteve-se inalterado. Porém, parece que essa história está prestes a mudar. Os leitores eletrônicos de livros digitais estão se popularizando, com aparelhos cada vez mais confortáveis e práticos para as leituras.

Com serviços que vão desde a conexão de rede para baixar as obras via internet, navegação na web (serviço ainda não disponível no Brasil) e armazenamento com capacidade de 1.500 livros, o e-book ou e-reader, como são chamados, ainda são leves, pequenos - pouco maiores que livros de bolsos, com espessura de uma revista - e, em sua maioria, com telas que não emitem luz direta, o que evita o cansaço dos olhos.

Quem já usou aprova. Os comentários mais comuns dos seus consumidores - 3 milhões em 2009 só nos Estados Unidos - elogiam sua praticidade na hora de fazer compras e downloads de livros digitais, sua leveza e, principalmente, portabilidade. Parece que carregar ?os livros? em viagens ou passeios é a grande vantagem do aparelho.

Durante a leitura, o e-reader permite ao usuário que opte pelo tamanho da fonte, marque as páginas, faça anotações, entre outras coisinhas. Mas nem tudo é perfeito, as telas - apesar de serem legíveis com incidência de luz solar - não trabalham por comando de toque e sim por um sistema de botões e não se iluminam, como a tela de um computador, para leituras no escuro.

Aqui no Brasil, o preço varia de aparelho para aparelho, chegando a custar R$ 900,00. Mas a demanda de consumidores promete alterar esse cenário, exigindo dos fabricantes modelos cada vez mais modernos, variados e acessíveis.

Prognóstico

Segundo uma pesquisa realizada pela 61ª Feira do Livro de Frankfurt (2009), o mais importante evento do setor livreiro do mundo, 50% dos jornalistas, escritores, livreiros e editores ouvidos acreditam que os livros de papel serão suplantados pelos eletrônicos até 2018.

Os que duvidam que o livro convencional perderá todo esse espaço argumentam que nada é mais prático do que o bom e velho volume de papel. Além de não exigir nenhuma habilidade, leitura de manual de instrução ou altas somas de dinheiro para ser adquirido.

Será que ele está fadado a virar material de colecionador? Infelizmente, essa é uma pergunta ainda sem resposta. Mas especialistas acreditam que o e-reader veio realmente para ficar, se como complemento ou substituto aí é outra história.

De qualquer maneira, mesmo que seu formato mude radicalmente, os livros continuarão sendo os mesmos, dependendo de um conteúdo para existir.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 13/11/2009.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
e-book; literatura; cultura; tecnologia

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos