Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
segunda-feira, 11 de dezembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
 
Em entrevista exclusiva, a escritora infantil premiada, com 90 anos recém-completados, fala, entre outros assuntos, sobre seu pioneirismo na TV.
 
22 de março de 2010
por Camila Passetti
 

Os jovens que estão hoje na universidade muito provavelmente passaram a infância lendo algumas das pequenas obras-primas de Tatiana Belinky. A escritora, que é referência em literatura infantil brasileira desde os anos 1950, fez 90 anos em março (2009) e merece ser lembrada por sua importância também em outra área: a televisão.

Com muito bom humor e disposição, ela contou com exclusividade que começou na TV numa época muito diferente. “Era uma novidade! Não sabíamos de quase nada”, comenta.

Experiente em adaptações de histórias infantis para o teatro, Tatiana recebeu um convite para levar suas peças para a extinta TV Tupi logo no início da era televisiva, em 1951. Nascia, então, o teleteatro brasileiro.

No total, foram mais de 1.500 adaptações, que realizou em parceria com seu marido Júlio Gouveia (1914-1988), médico e educador. “Ele era uma pessoa muito interessante”, conta saudosa e risonha.

No início, as fábulas adaptadas não eram brasileiras e daí surgiu a ideia de criar algo que representasse a literatura nacional. Não foi difícil escolher as obras de Monteiro Lobato do “Sítio do Picapau Amarelo” para essa missão.

“Eu era roteirista e nem sabia que existia esse nome. Escrevia tudo”, conta aos risos. E, continua, “naquele tempo tínhamos que fazer muitas coisas criativas para dar efeitos. Precisava ter muita coragem, mas era sensacional”.

Foram 12 anos no ar com o “Sítio”, mas os registros desses programas estão apenas nas publicações da imprensa da época e na memória de muitas crianças “velhinhas”. Gravado ao vivo, quando ainda não existia o videoteipe (ou videotape, em inglês), só podia ser assistido por quem fixasse os olhos na telinha preto e branco no momento exato da transmissão.

A escritora literária

Antes de ingressar de vez na literatura, Tatiana se aventurou escrevendo artigos, crônicas e crítica de literatura infantil para grandes jornais do estado de São Paulo. E já nessa época ela colecionava diversos prêmios na categoria de escritora.

Com suas escritas nos jornais, traduções e adaptações, a literatura surgiu com um convite nos anos 1980. “Não corri atrás de nada. Mas claro que eu ia tentar!”. Aceitar o convite da editora para escrever histórias deu mais do que certo. Tatiana virou referência da literatura infantil brasileira. 

“As primeiras gerações que conheceram meu trabalho agora têm netos. Ouço muito de vovós ou papais, como um disco gravado, que aprenderam a ler comigo ou vendo os programas na TV”, conta orgulhosa. “Ih, já fiz muita coisa!”.

De sua vasta obra, destacam-se “Coral dos Bichos”, “O Grande Rabanete”, “Di-versos russos”, “Limerique das Coisas Boas”, “Choro e Choradeira – Risos e Risadas”, “Dez Sacizinhos”, “Mentiras... E Mentiras”, “Saladinha de Queixas”, “O Samurai e a Cerejeira” e “Rita, Rita, Rita!”,entre outras.

Hoje, a autora já bateu de longe o recorde de cem obras e diversos prêmios literários, como Nestlé, Jabuti e “Melhor para Criança” da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ).

Suas obras fazem tanto sucesso não somente por seu histórico profissional, mas por abordar as historinhas de um jeito diferente do convencional – Tatiana sempre preferiu induzir as crianças a tirarem suas próprias conclusões, sem nenhuma moral pronta que finalizasse suas histórias.

“Eu mesma, quando criança, gostava de tirar minhas conclusões sozinhas, Queria me identificar com tais e tais personagens sem que ninguém me dissesse o que era certo”, ela conta.

E continua com muito humor. “Até gostava mais dos vilões, porque eles são mais interessantes. Queria ser bruxa e não fada. Claro, uma bruxa bonita, como a da Branca de Neve, que era ruim ruim bruxa bruxa, mas muito bonita”.

Prova de sua juventude interior e vitalidade são os lançamentos de seus livros que não param de acontecer, sempre com histórias alternativas e divertidas, contadas de um jeito que só a autora sabe fazer. “Com meus 90 anos continuo criando e escrevendo”.

As editoras recebem as escrituras de Tatiana à mão. “Meus dedos já não querem mais o teclados, mas minha escrita continua como há de 50 anos atrás. Ainda vou estar por aqui por algum tempo”, diz cheia de entusiasmo.

Quando questionada sobre um possível descanso, ela não titubeia ao dizer que “descansar cansa muito, é muito cansativo”.

A TV e a leitura

Tatiana acredita que a TV de hoje pode incentivar o hábito da leitura. “A televisão tem muita força. Se aparece um personagem lendo um livro na novela, no dia seguinte, as pessoas fazem fila na livraria”.

Porém, ela vê que tal força pode estar sendo usada ao contrário e diz que não nota uma programação tão educativa e informativa como antes. “Tem alguma coisa ou outra educativa. Mas a TV também pode ser muito deseducativa e desiformativa”.

Para ela, a leitura deveria fazer parte da cultura e dos costumes de todos, um hábito que poderia facilmente ser passado dos pais aos filhos. “Ter acesso à literatura é um privilégio e não uma obrigação ou um castigo”, ela diz.

Monteiro Lobato

Adaptar as obras de Monteiro Lobato para a televisão foi uma honra para Tatiana, pois, segundo conta, quando chegou ao Brasil aos dez anos de idade (ela nasceu na Rússia), se apaixonou por Emília, “uma bruxinha do bem”, e até pensava em ser ela.

Mais tarde pôde conhecer o escritor pessoalmente, mas lamenta o fato de ele não poder ter visto seu trabalho na televisão. “Conhecemos (ela e o marido) o Lobato antes de a TV aparecer. Mas pena que ele não chegou a ver o trabalho”.

Assumidamente fã, comenta: “Monteiro Lobato é outro papo. Para mim, a Emília é a maior figura feminina da literatura brasileira”.

Jogo de palavras

Ao lado da cama de Tatiana, está um caderninho de anotações que de vez enquanto é aberto para o registro de algumas palavrinhas chave que a autora escreve durante a noite caso tenha alguma ideia.

Mas ela assume que tem preguiça e prefere pensar mais do que escrever se porventura perder o sono. “Se eu estou com insônia, não conto carneirinhos nem nada, invento brincadeiras de palavras. Brinco com as palavras e elas brincam comigo”.


Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em maio de 2009.

 

 
Imprima
 
1 comentário(s)
 
Bela matéria para uma pessoa muito especial, que ajudou a desenvolver a imaginação e o amor à leitura em muitos brasileiros. Ana

Comentário de Ana Maria Battaglin, 30/03/2010
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
literatura; cultura

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos