Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sexta-feira, 26 de maio de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Não perca o próximo espetáculo de dança
 
Apesar de o Brasil ter bailarinos, coreógrafos e companhias de balé com o trabalho reconhecido em todo o mundo, ainda são poucos os que vão às apresentações de dança. Veja por que vale a pena assistir a uma delas, não importa de qual escola ou influência
 
14 de dezembro de 2007
por Marcelo Jucá
 

Todo mundo já dançou, ou “mexeu os esqueletos”, como se dizia, alguma vez na vida. “Desde que nos conhecemos por gente, o Homem dança. É uma necessidade de se expressar, que muitas vezes é satisfeita pela dança”, explica a professora e bailarina Marinês Callori, que dá aulas em um novo estúdio de São Paulo, a Sala Crisantempo.

Então tudo é válido: rodinhas de rock, baladas com música eletrônica, pagode, até “dança da chuva”. No Brasil, terra do carnaval, do samba, do frevo, do axé, dança-se, e muito.

Mas há também o trabalho profissional de dança, levado muito a sério por aqui. O país conta com algumas companhias e grupos estáveis, que lutam contra todas as dificuldades e falta de verbas, como o grupo Corpo, de Belo Horizonte, a companhia de Deborah Colker, no Rio, o Cisne Negro, o Ballet Stagium e o Balé da Cidade de São Paulo, em São Paulo, o Quasar Cia de Dança, de Goiânia, só para citar alguns.

Também há cursos universitários de dança, inclusive com pós-graduação, como o da Universidade de Campinas (Unicamp), o da Universidade de São Paulo (USP) e o da Universidade Federal da Bahia (UFBA), a pioneira na área.

Ao mesmo tempo, quantos brasileiros já foram a um espetáculo de dança? “Quem assiste aos espetáculos são bailarinos”, diz Marinês.

O público ainda é muito restrito comparado às outras manifestações de arte. A audiência ainda é pouca. Para Neide Neves, também bailarina e professora da Sala Crisantempo, há uma explicação, que é cultural:

“As pessoas ainda vão aos espetáculos esperando ver passos todos certinhos. Isso tem, mas a dança contemporânea é mais do que isso”, diz.

O Crisantempo é um exemplo disso. Trata-se de um espaço voltado para a educação e a pesquisa de dança. Oferece cursos relacionados à consciência do movimento e reúne profissionais cujo trabalho é baseado nas idéias e práticas do mineiro Klauss Vianna (1928-92).

Mas quem foi Klauss Vianna?

No Brasil, o bailarino Klauss Vianna, com formação clássica, foi um dos que deram novos rumos à dança brasileira. Ele também criou o seu próprio método de consciência corporal.

Juntando toda sua bagagem com estudos em cinesiologia (ciência que estuda os movimentos humanos), Klauss imprimiu novos conceitos na dança, ensinando a bailarinos e atores de teatro a como usarem cada centímetro do corpo em função da expressão.

Tanto que é famosa a história de que ele proibiu seus alunos de usarem sapatilhas, para que dessa maneira fosse possível estudar melhor o que ele acreditava ser a “estrutura do corpo”.

Descalços, e bem fortalecidos, os pés davam a sustentabilidade necessária para que as outras partes do corpo estivessem seguras o suficiente para realizar os mais diversos movimentos.

Neide Neves, que é considerada uma das maiores especialistas no método Klauss Vianna, relembra que Klauss “sempre buscou trabalhar com seus alunos a expressão do corpo. Ele tentava fazê-los se expressarem através dele”.

Em certa aula, Klauss distribuiu jornais para os alunos. E não era para dançar em cima ou procurar emprego. Era para que eles lessem as notícias e se informassem. “O Klauss promovia essa aproximação do mundo com a dança. Para que assim, eles soubessem o que expressar”, completam, uma a outra, Marinês e Neide.

Novos olhares

Todo mundo pode dançar, basta querer aprender. E como já temos uma base, pois andamos, corremos, pulamos – ou seja – nos expressamos com o corpo, pode ser mais fácil do que parece, além de ser ótimo para a concentração.

A dança também pode ser uma forma de superação social. Um exemplo é o Corpo de Dança da Maré, grupo criado pelo coreógrafo Ivaldo Bertazzo junto com moradores do Complexo da Maré, uma das maiores favelas da cidade do Rio de Janeiro. Hoje ele se apresenta por todo o país.

Quem estiver interessado em se expressar melhor, ou saber o que os outros andam sentindo, fique de olho no próprio site da Crisantempo, ou em eventos nos Sescs, em teatros e até em um espaço criado só para a dança na cidade de São Paulo, o Projeto Teatro de DançaDiretor (na Av. Ipiranga, 344 – 1º andar), que tem o apoio da Secretaria de Estado da Cultura.

Sempre há um espetáculo para assistir, e sempre terá espaço para mais um.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 10 de abril de 2007.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
dança; cultura

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos