Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
domingo, 22 de outubro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
A presença do livro digital
 
Em dois dos maiores eventos livreiros do país, a Flip e a Bienal do Livro de São Paulo, o livro digital foi tema de debates, encantou leitores e mostrou o caminho para uma revolução na leitura nos próximos anos.
 
05 de outubro de 2010
por Robson Rodrigues
 

Ler um livro nunca foi uma experiência tão tecnológica. Este ano, além dos tradicionais volumes de papel, os livros digitais – também conhecidos como e-readers – marcaram presença em dois dos maiores eventos do mercado livreiro nacional, a Bienal Internacional do Livro de São Paulo e a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

Além disso, também este ano, pela primeira vez na história, os livros vendidos para e-readers (ou e-books) ultrapassaram em vendas os títulos em papel na Amazon.com, um dos principais sites de comercialização de livros do mundo.

Mike Shatzkin, fundador da Idea Logical Company, uma das principais consultorias do mundo na área editorial, foi convidado para participar do Fórum Internacional do Livro Digital, que precedeu a 21.a Bienal do Livro. Ele falou sobre o futuro do livro, as expectativas e como os autores e editoras precisam se adaptar a essa tendência. Segundo o consultor, daqui a cinco anos os livros digitais representarão entre 60% e 70% do mercado nos Estados Unidos.

O analista ainda não se arrisca a dizer como será esse fenômeno no Brasil, mas isso deve demorar um pouco mais para acontecer. Existem algumas barreiras e a principal delas é o alto custo para os leitores. Shatzkin disse não ler nada em papel há três anos e meio e faz previsões sobre o mercado editorial por causa dos livros eletrônicos:

"Num mundo de livros de papel, é preciso ter um conhecimento específico desse formato, e também capital para imprimir e distribuir", argumenta.

O consultor disse também que não se vende mais um formato, o que se vende são arquivos. "(...) Podem ser livros, músicas, programas. Não há mais necessidade de um conhecimento específico do formato. Elas (editoras) terão que focar seus esforços no conteúdo e se especializar em alguma área."

Encontro de dois mundos

De certo modo o que os analistas dizem parece fazer sentido. A Imprensa Oficial do Estado de São Paulo desde 2009 teve a iniciativa de disponibilizar gratuitamente mais de 200 títulos em formato digital. Na Bienal, a editora apresentou ao público as obras em cerca de 50 aparelhos, entre Kindles, iPads, e-Readers da Sony. Para os leitores à moda antiga, os livros no formato digital também podem ser adquiridos na versão impressa.

Segundo a editora, já foram realizados mais de 55 mil downloads. Entre os títulos estão as biografias de Fernanda Montenegro, Mazzaroppi e Raul Cortez; os roteiros dos filmes "Zuzu Angel", "Cidade dos Homens", entre outros.

"Os livros em formato digital são todos gratuitos, apenas 10 são vendidos, por meio do site da Amazon", afirma Luiz Álvaro Aguiar, supervisor de marketing da editora.

Negócio promissor

A novidade do momento está por conta do anúncio da parceria da Submarino, site de vendas, com a Gato Sabido, primeira livraria digital do Brasil. Até antes da parceria, a Submarino não vendia conteúdo para e-readers e precisava entrar nesse ramo e a Gato Sabido precisava de mais tráfego no site.

Segundo Luciana Legey, sócia da Gato Sabido, em apenas oito meses a empresa já possui mais de 1500 títulos em português e mais de 100 mil em inglês. De certo modo é um número ainda modesto de livros em português, o que se deve ao fato de essa tecnologia ainda ser recente no país. Porém tudo indica que esse quadro se reverterá.

"O digital não precisa de estoque, distribuição, impressão e os custos que um livro impresso tem. (...) Ele vai conseguir conviver com o livro impresso, mas a tendência é que o livro digital domine mais para frente", prevê a empresária.

Outros fatores tornam o livro digital ainda mais atraente: além de ser de 30 a 50% mais barato do que o livro impresso, uma pessoa pode ter até 5 mil títulos em mãos portando apenas o leitor digital.

Os tradicionais amantes dos livros com peso e cheiro característicos não precisam temer o fim do impresso, quase todos os livros digitais têm versões impressas. Mas precisam aceitar essa realidade. Apesar de a maioria das editoras estarem ainda se preparando para essa revolução digital, a Gato Sabido fechou contratos importantes com grandes editoras como a Zahar, Melhoramento, Companhia das Letras, entre outras, o que indica que novos títulos para os e-readers vêm por aí.

Varejistas na disputa

Grandes livrarias, como a Saraiva, também aproveitam a ocasião para divulgar seus livros digitais. No seu site, a livraria disponibiliza, por preços menores que os dos livros impressos, títulos como "Alice no País das Maravilhas", de Lewis Carrol, e "Caim", de José Saramago.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitarios em 20/08/2010

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
literatura; cultura; tecnologia

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos