Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
quinta-feira, 21 de setembro de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Tem influência árabe até no samba
 
Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro mostra de que forma a cultura árabe-islâmica trazida pelos negros africanos no século 18 ajudou a engendrar o caldeirão que deu origem a manifestações típicas nacionais, como o samba dos morros cariocas.
 
30 de abril de 2007
por Paula Quental
 

A influência árabe na cultura brasileira começa antes mesmo da descoberta do país, a partir da ocupação pelos mouros da Península Ibérica, no século 8, que deixa marcas importantes, por exemplo, na língua, literatura e na arquitetura portuguesas. O que poucos sabem, porém, é que a presença árabe é sentida até em uma criação genuinamente nacional, associada ao Brasil por qualquer habitante do planeta: o samba.

Isso mesmo, o samba, em suas origens, nas batucadas nos morros do centro do Rio de Janeiro, nos primeiros anos do século 20, contou, entre os vários instrumentos de percussão de origem africana, com um, em especial, de origem árabe: o adufe. Semelhante ao pandeiro, só que em formato hexagonal e sem platinelas, o adufe teria ajudado o samba a chegar à batida rítmica que hoje o caracteriza.

Ou, pelo menos, contribuído para a marcação "diferente" do samba produzido em algumas escolas mais tradicionais, como é o caso da Portela. Quem afirma é João Baptista de Medeiros Vargens, professor de árabe do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e autor, ao lado de Carlos Monte, do livro "A Velha Guarda da Portela" (Manati, 2001).

Segundo Vargens, o adufe, embora nunca lembrado pelo nome correto, aparece nos relatos de alguns veteranos sambistas da Portela, e no do cantor e compositor Paulinho da Viola, que conviveu com muitos deles. "Paulinho, no livro, lembra as batucadas na antiga sede da Portela, a Portelinha. Lembra dos cavaquinhos, das palmas e de uns pandeiros quadrados, que seriam responsáveis por esse toque da Velha Guarda, pelo desenho melódico dos velhos bambas da escola", revela o professor.

Vargens conta que essa marcação rítmica desenvolvida com a participação do adufe ajudava a dar uma marca especial à bateria da Portela, reconhecida imediatamente pelo público quando a escola começava a entrar na avenida, "pelo menos até meados dos anos 1970".

’Islamismo e Negritude’

Não há estudos sobre a presença de descendentes árabes nos morros cariocas, até porque ainda são poucas as iniciativas de registro da história dessa população e do próprio samba, aliás. Mas uma outra pista sobre a convergência dos dois mundos - cultura árabe e negros sambistas - é dada também pelo professor Vargens.

Atento às manifestações da cultura árabe no Brasil, ele observa que letras do compositor Aniceto (de Meneses e Silva Júnior), morto em 1993, um dos fundadores da escola de samba Império Serrano e também compositor da Portela, se referem aos "mussurumins", termo que é uma corruptela de muçulmanos.

Segundo Vargens, que é autor, junto com Nei Lopes, do livro "Islamismo e Negritude - da África ao Brasil, da Idade Média aos nossos dias" (UFRJ,1982), o primeiro contato dos brasileiros com a cultura islâmica foi por intermédio de escravos africanos muçulmanos e não de imigrantes árabes - que por aqui começaram a chegar nas últimas décadas do século 19.

Estes, aliás, oriundos principalmente da Síria e do Líbano, tinham principalmente formação cristã. O Islamismo, escreve Vargens, teve papel muito importante na "aglutinação e resistência" dos negros feitos escravos no Brasil. "Esse Islamismo, que já na África, como vimos, não era exatamente o mesmo da Arábia, no Brasil sofreu, é claro, ainda outras influências, recebendo os nomes de ’religião dos alufás’, e culto ’mussurumin’, ’muçulmi’ ou ’malê’ - nomes estes pelos quais eram genericamente conhecidos os negros islamizados. E foi esse Islamismo que criou a mítica do negro altivo, insolente, insubmisso e revoltoso (...)", diz trecho do livro.

Os negros adeptos do Islamismo, apurou o professor em seus estudos, começaram a chegar ao país a partir do século 18 e foram deslocados principalmente para o Nordeste, em especial a Bahia (onde mais para frente, em 1835, seriam responsáveis pelo episódio conhecido como Levante dos Malês). Eram negros cultos, alfabetizados (liam o alcorão em árabe) e viviam agrupados na capital, Salvador, e no Recôncavo. Uma parte deles, muito provavelmente após a perseguição policial desencadeada pela revolta, migrou para o Rio de Janeiro.

Quanto a sua ligação com o samba e com a cultura dos morros cariocas, há apenas indícios e "muito para ser estudado", diz Vargens.

"Uma pena termos no Brasil apenas dois centros oficiais (um na Universidade de São Paulo, USP, e outro na UFRJ) de estudos da cultura árabe. Ao todo devem ser uns 10 professores, enquanto que na Espanha são 500". Um pouco mais de investimento em pesquisa iria, sem dúvida, revelar uma ligação muito mais íntima - e surpreendente - entre as duas culturas do que se supõe hoje.

Matéria produzida para a Agência de Notícias Brasil-Árabe (ANBA)em dezembro de 2003.

 
Imprima
 
2 comentário(s)
 
Boa noite, pois sou Bacharel em Letras pela UFRJ, em especial na habilitação árabe.Pois, como gosto muito de Carnaval, principalmente dos enredos apresentados seria interessante procurar estudar de melhor forma a presença de descendentes árabes nos morros cariocas e também do adufe na rítmica musical.O profesor João Baptista foi meu professor de Literatura árabe.

Comentário de ALEX BONIFACIO, 14/05/2011
 
Existe um Núcleo de Estudos e Pesquisas Árabes na FACAMP desde 2006. Sou o coordenador detste núcleo - NEAF - no Curso de RElações Internacionais. Saudações. Prof. Ali El-Khatib

Comentário de ALI EL-KHATIB, 01/02/2011
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
música; cultura; história; universidade

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos