Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sábado, 22 de julho de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
 
Paulista residente na Alemanha, Alex Flemming é um dos grandes nomes da arte brasileira no exterior. Sua exposição em cartaz no Rio expressa a necessidade de uma globalização que respeite as diferenças de ritmo e pontos de vista.
 
23 de março de 2010
por Ana Luiza Hupe
 

“Qual artista você está procurando, o alemão?”, perguntaram a esta repórter, que circulava entre as pilastras do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM). Alex Flemming, com quem tinha marcado um encontro para uma entrevista exclusiva para o Bradesco Universitários, encontrava-se em uma sala testando o funcionamento de sua nova instalação, que ficaria exposta ao público no museu até meados de dezembro.

Na verdade, Flemming não tem nada de alemão: é um dos grandes nomes representantes da arte contemporânea brasileira no cenário internacional e mora em Berlim há 17 anos. É e considera-se brasileiríssimo, paulista de pai e mãe.

Alex Flemming

Na capital paulista, inclusive, pode ser vista uma de suas obras públicas mais conhecidas: os painéis com fotos de pessoas comuns sobre os quais ele aplicou caracteres gráficos (trechos dispersos de poesias) e que ficam na Estação Sumaré do Metrô.
 
“Sistema Uniplanetário In Memoriam Galileo Galilei”, a obra que estava testando, compõe sua individual no Rio e parece ser fruto dos caminhos que traçou pelo mundo. Em uma referência ao italiano Galileu Galilei (1564-1642), inventor do telescópio, considerado o pai da ciência moderna e o primeiro a afirmar que a Terra se move e não é o centro do universo  – considerada, em sua época, uma heresia – a exposição é composta por mais de 50 globos terrestres, de vários tamanhos, dispostos sobre toca-discos que os fazem girar, cada um em sua própria órbita.

Com curadoria de Tereza de Arruda, outra brasileira moradora de Berlim, a exposição “Sistema Uniplanetário” migra da Alemanha, onde em junho deste ano foi mostrada a mais de 2mil pessoas, para o Rio. Em tempos de um mundo cada vez menor, o artista propõe uma globalização em que o mundo seja um só, porém que as diferenças de toda ordem sejam respeitadas.

“O que eu quero mostrar com esses globos é que todos os homens ao mesmo tempo em que são iguais são também diferentes. Todos urinamos amarelo, mas temos diferentes escolhas. Proponho um respeito mútuo que vejo que falta no mundo”, diz o artista.

Filho de um piloto de avião e de uma aeromoça, ele sempre viajou bastante. Morou nos Estados Unidos quando criança, depois em Lisboa. Nos anos 1980, após estudar na Fundação Getúlio Vargas (FGV) para “dar o diploma para família” e abandonar no terceiro ano o curso de arquitetura na Universidade de São Paulo (USP), ganhou uma bolsa do programa de intercâmbio Fullbright e foi estudar em Nova York por alguns meses.
Foi o único momento em que desenvolveu um estudo formal em artes.

No texto de apresentação da exposição, sua curadora explica: “O trabalho mostra em movimento e de uma maneira quase lúdica todas as relações que unem o mundo, que na prática se encontra em uma sincronização rítmica. A instalação em si constrói uma poética e louca metáfora do Sistema Solar, porém aqui o repertório é feito por um único planeta, que se movimenta em torno de si mesmo, várias vezes e de diferentes pontos de vista”.

A nacionalidade do artista é ‘irrelevante’

Com a galeria Bolsa de Arte de Porto Alegre representando-o no Brasil, a Blickensdorff em Berlim e com obra no acervo do Museu Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro, Flemming se sente à vontade e tem background suficiente para falar de como a arte contemporânea brasileira é vista no exterior.

“Ao menos na Alemanha, não há distinção dos artistas por nacionalidade. Eles estão interessados no conteúdo, não importa de onde o artista vem”, conta. Segundo ele, no mercado de arte internacional, ser brasileiro não facilita nem atrapalha, é “irrelevante”.

“De uns anos para cá a arte brasileira está sendo valorizada, haverá em 2009 a retrospectiva de Mira Schendel no MoMA (NY) e ouve-se mais de Hélio Oiticica e Lygia Clark”, conta.

A internacionalidade e as discussões sobre identidade e pertencimento (a uma cultura, a uma origem) são conceitos caros a Alex Flemming, que ele procura explorar em sua obra.

História e política também interessam muito ao autor. Como lembra o texto da curadora de sua exposição, ainda muito jovem, em São Paulo, Flemming a sua série “Natureza Morta”, denunciando a prática de tortura contra presos políticos durante a ditadura militar. Já nos anos 2000, criou os objetos “Tapetes Voadores”, que eram recortes de tapetes orientais em forma de silhuetas de aviões lembrando o episódio do 11 de Setembro (ataque terrorista às Torres Gêmeas, em Nova York).

Para a curadora, a arte internacional de Alex Flemming se beneficia das origens brasileiras do artista: “Nascer no Brasil significa ser protagonista do multiculturalismo. As várias ondas migratórias de diferentes etnias, crenças, e visões de mundo proporcionaram no Brasil uma flexibilidade da vida e uma visão anti-dogmática do universo, tanto micro quanto macro”.

Saiba mais

Para saber mais sobre o artista e ter acesso a imagens sobre o seu trabalhe, visite www.alexflemming.com

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em dezembro de 2008.

 
Imprima
 
1 comentário(s)
 
adorei saber mais de alex flemming para minha aula de arte do bom jesus.

Comentário de aline, 02/08/2011
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
O teatro que atrai os jovens
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
artes plásticas; globalização

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos