Notícias
Últimas
Da Hipermeios
Arte e Cultura
Entrevistas
Mundo profissional
Saúde e bem-estar
Universidade
Vida sustentável
Colunas
 
Destaques
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
O Brasil é hoje um caldeirão pulsante de arte e cultura, com um número crescente de festivais se espalhando pelo interior. Longe do circuito tradicional das grandes capitais, acostumadas a receber megaeventos, cidades do interior têm abrigado iniciativas de pequeno e médio porte, viabilizadas por redes de apoio e pessoas interessadas em produzir e incentivar a cultura. [+]
 
Pedro Markun: 'A política não precisa ser uma coisa que a gente detesta'
Ele é um dos idealizadores do movimento Transparência Hacker, que reúne jovens de várias profissões com a proposta de juntar comunicação e tecnologia em favor dos interesses da sociedade. Por exemplo, ajudando a tornar mais transparentes as informações sobre as ações de governantes e parlamentares. [+]
 
 
Busca

 
Tags
alimentação artes plásticas autoconhecimento carreira cinema consumo consciente cultura economia da cultura educação empreendedorismo estágio estresse história internet literatura meio ambiente música poesia pós-graduação psicologia

 
 
sexta-feira, 26 de maio de 2017 Quem somos
Serviços
Portfólio
Clientes
Contato
Página Inicial > Notícias > Arte e Cultura
 
O teatro que atrai os jovens
 
Responsável pelo TUCA, teatro da PUC-SP, Ana Salles contesta a afirmação muito comum de que o público para teatro reduziu e que a culpa disso seria o desinteresse dos jovens. Segundo ela, o público jovem existe e lota plateias.
 
21 de março de 2010
por Camila Passetti
 

As peças teatrais são capazes de conquistar as novas gerações se a proposta das apresentações tiver conteúdo atraente e corresponder às expectativas e estilo de vida do jovem contemporâneo. É o que afirma Ana Salles, professora responsável pela política cultural da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e superintendente do TUCA (teatro da universidade).

"Hoje, há uma segmentação muito grande. O jovem vai a determinados lugares, e há grupos bem destacados. Reconheço que não há um interesse generalizado pelo teatro, mas quando a proposta é aceita, os jovens aderem pra valer", diz.

Ana garante que as últimas temporadas de peças teatrais voltadas para esse público no TUCA foram "sucesso absoluto" e que a plateia lotou de jovens. Isso porque, de acordo com a professora, eram trabalhos que começaram na internet e tratavam dos assuntos atuais, sejam triviais ou mais sérios, com bastante humor.

"Veja o caso do 'Jogando no Quintal', dos 'Barbichas' ou do Marco Luque. O público é 90% jovem. E, nestes casos, é preciso ver que o fenômeno começou na internet. Ou seja, com linguagem jovem, proposta interativa, e comunicado por um meio acessado por eles".

No Tuca, o grupo teatral "Jogando no Quintal" apresentou, entre outros espetáculos, "Caleidoscópio - Um espetáculo de improvisação". No caso dos "Barbichas", eles ficaram em cartaz com "Improvável", ao lado dos humoristas Marianna Armellini e Marco Gonçalves. E o Marco Luque, que também é um dos apresentadores do programa "CQC ? Custe o que custar", da Rede Bandeirantes, esteve por lá com a stand-up Comedy "Tamo Junto".

Segundo Ana, os jovens respondem bem ao apelo do humor. "A vida está muito difícil e falta perspectiva de futuro. Problematizar não é o que estão procurando. E o teatro -  ou qualquer manifestação e apresentação que aconteça nos palcos "procura atender a esta demanda".

A professora quer acabar com o mito de que, por uma questão de costume ou saudosismo, é a terceira idade quem sustenta o teatro. Mesmo porque, segundo ela, "a maior parte do sustento vem das verbas de patrocínio e não da bilheteria".

São Paulo ganhou mais teatros

Para ela, cada público tem seu espaço e suas preferências, por isso "as pessoas mais velhas gostam de determinadas peças, autores e atores, e os jovens de outros. Às vezes "muito raramente" todos gostam de um único trabalho, mas o consenso é raro".

Além disso, ela acredita que se os teatros tinham suas portas abertas de terça a domingo nos anos 1970 e 1980 e hoje as temporadas diminuíram para sexta, sábado e domingo, não é porque o interesse também diminuiu e, sim, por uma simples questão matemática.

"Só em São Paulo não havia nem 20 teatros. Hoje, temos perto de 160. Portanto, pulverizamos e dividimos o público entre muitas possibilidades", comenta.

Segundo Ana, com a intenção de incentivar o gosto pelo teatro, alguns programas de fomento têm possibilitado o acesso de comunidades mais carentes - do ponto de vista financeiro ou geográfico ? aos palcos. "Quase sempre os espaços de cultura não estão nas periferias", diz.

Para ela, o estímulo aos jovens com condições de pagar por um ingresso de teatro para que frequentem os espetáculos deve acontecer dentro de um programa global, que abarque também outras manifestações da arte, como literatura, cinema e música.

Mas quanto custa...

Considerado uma das atrações culturais mais caras pela população brasileira, "o teatro nunca foi de grande público, com acesso sempre restrito às classes A e B", afirma Ana Salles.
 
Porém, de acordo com a professora, trata-se de esclarecer o público sobre o porquê desse preço mais caro (a partir de R$ 20,00, R$ 30,00). Lembrar, por exemplo, os custos da produção de uma peça, dos ensaios e concepção à montagem final, e das várias apresentações ? que levam em conta a presença física de atores e toda uma equipe por detrás das cortinas.

"Considere que a preparação de uma peça leva meses. Há o texto - que tem um autor, que cobra direitos autorais. Durante os ensaios, atores, diretor, preparador corporal e vocal já começam a receber (ou ao menos deveriam)", explica.

"Depois, vem produção, cenografia, iluminação, espaço, divulgação... Quando a peça está em cartaz, cada sessão implica a presença e trabalho de muita gente".

Segundo Ana, "sempre que há campanhas de gratuidade ou de preços populares, o público cresce", o que pode indicar interesse, mas não a devida valorização dessa arte.

Matéria produzida para o site Bradesco Universitários em 04/09/2009.

 
Imprima
 
 
leia na mesma seção
Brasileiros se rendem à cultura pop japonesa
Festivais: arte pulsante por todo o Brasil
Dilema digital: Como fazer história no futuro?
A arte contemporânea do grafite
A presença do livro digital
Em debate, o conto.
Documentário conta a história do baião
A dança como profissão, por Ivaldo Bertazzo
Alex Flemming: reflexões sobre a globalização
O mercado de animação de vento em popa
A arte politizada 'made in Brazil'
Tatiana Belinky: energia de sobra aos 90
Vanguarda jazzista em São Paulo
Quantos livros cabem no seu bolso?
1808, o ano em que o Brasil virou nação
O mundo inovador de Guimarães Rosa
A cultura movimentando a economia do planeta
Os ventos da Tropicália, 40 anos depois
Drummond, poeta inovador
Não perca o próximo espetáculo de dança
Prazer, Cartola
A leveza do deserto na prosa e poesia brasileiras
Editoras universitárias se consolidam no Brasil
Internet dá origem a uma nova forma de arte
Jovens descobrem o samba e resgatam tradições
Monteiro Lobato na internet
Música independente dá vigor à cena da MPB
Quem são os novos cinéfilos?
Rádios online e podcasts, novas formas de ouvir música
Saiba o que é indústria criativa
Tem influência árabe até no samba
O legado de Itamar Assumpção
Blogs abrem espaço para difusão cultural
 
Tags relacionadas
Cultura;teatro; economia da cultura

 
© Hipermeios 2006-2017. Todos os direitos reservados.
Rua Garcia Lorca, 147 | São Paulo SP | 05519-000 / tel +55 11 3285 2577

  RSS 2.0 | Mapa do site | Espaço privado | Créditos